EU SINTO FALTA

DO TEU CHEIRO

Ítalo Lima

Nascido em 1993, em Teresina-PI. Escritor com 2 livros publicados. Colunista da Revista Revestrés. Membro da Academia de Letras de Teresina. Tem no peito um coração bonito pra chover. 

Eu sinto falta do teu cheiro

Do teu tato-afeto em meu pescoço 

Do teu cílio solto perdido pela casa 

Eu sinto falta do teu substantivo 

Dos teus versos subversivos 

Arranhando o meu dorso 

 

Eu sinto falta do teu cheiro de pólvora 

Do teu dente canino 

Grunhindo meu sobrenome 

Marcando minha pele 

Meus delírios 

E fazendo chuva pelo meu corpo inteiro

(que é teu em dias de tua vontade)

 

Eu sinto falta da tua saliva 

Dos teus poros-suores cruzando caminhos 

Antecipando silêncios

Prevendo desastres 

Colidindo com os astros 

Partir é mesmo uma tragédia torta

 

Eu sinto falta das tuas entranhas

Da tua voz rouca em dias de garoa 

Do teu cheiro-ternura 

Que fica preso no lençol da cama 

Eu sinto falta da tua retina 

Do teu suspiro emaranhado no meu

(aqui só resta sufoco e agonia)

 

Eu sinto falta do teu espanto 

E do teu suspiro preso no teto 

Das tuas vísceras 

Se misturando com as minhas 

Dos teus passeios pelos lugares-lares

(que sou eu até em pensamento)

— ou pelo menos deveria

 

Olha, teu nome é bom de ter nos lábios

Tem gosto de sangue, de ferrugem

De corpos empilhados em trincheiras

De tragédias nucleares 

De porta entreaberta: te espero.