Stefano Schirò

RIMANE SOLO UNA ROSA ACCANTO ALLO SPECCHIO

Come Leandro, nel mito antico, nuotavo, nuotavo su acque scintillanti, su acque in tempesta, su acque imporporate per raggiungerti nel tuo faro incollato sul mare greco. Il tuo cuore sembrava morbido, ed io fiorivo, mi vestivo di abiti chiari - ti piaceva vedere me allo specchio con la giacca e i pantaloni azzurro polvere-. Tutto mi raccontava di te: l’ibisco, le azalee, l’alloro, perfino il timido basilico sulla finestrella azzurra. Io ti immaginavo come gli atleti degli scultori classici, con una corazza istoriata ti eleggevo imperatore, incoronandoti di fiori, di rari fiori.

Oggi ritrovo una lettera e una rosa avvizzita accanto allo specchio oblungo: “Io devo scappare, sei troppo per me, fai troppo per me, le tue cure sono per me essenziali -era tutto ciò che volevo- ma non mi sento alla tua altezza, mi soffochi, ti lascio questa rosa che mi regalasti la prima volta che ci baciammo tra le barche a Serifos”. 

Io sono quella rosa: allora color bianco-arancio perfetto che si stagliava su quel blu prepotente del mare eterno, adesso appassita, ingiallita, non ho più forza di emanare profumo. Profumerò ancora? Riuscirò a rifiorire? E dove sono le spine? Decorano adesso le mie coronarie, come quei cuori sacri, inarrivabili, potenti, luminosi, scrigno di amore e dolore.

PERMANECE APENAS UMA ROSA AO LADO DO ESPELHO

Como Leandro, no mito antigo, eu nadei, nadei em águas cintilantes, em águas tempestuosas, em águas púrpuras para chegar até você em seu farol colado no mar grego. Seu coração parecia macio e eu floresceu, vesti roupas leves - você gostava de me ver no espelho com a jaqueta azul e as calças azuis -. Tudo me contou sobre você: o hibisco, as azáleas, o louro e até o manjericão tímido na janela azul. Eu imaginei vocês como atletas de escultores clássicos, com uma armadura decorada, eu o elegi imperador, coroando-o com flores, com flores raras.

Hoje encontro uma carta e uma rosa murcha ao lado do espelho oblongo: "Tenho que fugir, você é demais para mim, você faz demais para mim, seus cuidados são essenciais para mim - era tudo o que eu queria - mas não sinto vontade de você, você me sufoca, deixo para você esta rosa que você me deu na primeira vez que nos beijamos entre os barcos em Serifos ".

Eu sou aquela rosa: então a perfeita cor branco-alaranjada que se destacava contra o azul dominante do mar eterno, agora murcha, amarelada, não tenho mais forças para exalar perfume. Ainda vou perfumar? Serei capaz de florescer novamente? E onde estão os espinhos? Agora decore minhas coronárias, como aqueles corações sagrados, inacessíveis, poderosos e luminosos, um baú de amor e dor.